O Barômetro

 Essa história parece ser chata, mas tenha certeza que é muitíssimo interessante…! 

barometro(1)

                                   ” Um professor de Física, no começo do século XX, relatou a seguinte experiência:

“Há algum tempo, recebi um convite para servir de árbitro na revisão de uma prova de Física. O professor queria atribuir-lhe nota “zero”. O aluno contestava tal conceito, alegando me merecia nota máxima. Professor e aluno concordaram em submeter o problema a um juiz imparcial, e eu fui o escolhido.

Li a questão da prova: “Mostre como determinar a altura de um edifício bem alto com o auxílio de um barômetro”. A resposta do estudante foi a seguinte:

“Leve o barômetro ao alto do edifício e amarre nele uma corda; baixe o barômetro até a calçada, em seguida levante e meça o comprimento da corda; este comprimento será igual à altura do edifício.”.

O estudante tinha razão, pois a resposta satisfazia o enunciado, de certa forma, completa e corretamente. Entretanto, se ele tirasse nota máxima, estaria caracterizada sua aprovação em um curso de Física, enquanto a resposta não confirmava isso. Sugeri então conceder uma nova chance ao estudante: ele teria seis minutos para responder a questão, e sua resposta deveria mostrar, necessariamente, algum conhecimento em Física.

Passados cinco minutos, ele ainda não havia escrito nada. Perguntei-lhe então se desejava desistir, mas ele respondeu que havia muitas respostas para o problema e estava escolhendo a melhor entre elas. Desculpei-me pela interrupção e solicitei que continuasse.

No momento seguinte ele escreveu esta resposta:

“Vá ao alto do edifício. Da ponta do telhado, solte o barômetro, medindo o tempo t de queda até o solo. Depois, empregando a fórmula: h= gt²/2, calcula-se a altura do edifício.”.

Perguntei então ao meu colega se ele estava satisfeito com a nova resposta. Ele disse que sim, e atribuiu nota máxima à prova, ainda que houvesse uma expressão de descontentamento, talvez inconformismo.

Ao sair da sala, lembrei-me de que o estudante afirmara ter outras respostas para o problema. Embora já sem tempo, não resisti à curiosidade e perguntei-lhe quais eram as respostas.

– Ah, sim! – Disse ele. – há muitas maneiras de se achar a altura de um edifício com a a juda de um barômetro.

Perante a minha curiosidade e a já perplexidade do meu colega, o estudante desfilou as seguintes explicações:

– Por exemplo. Num belo dia de sol, pode-se medir a altura do barômetro e o comprimento de sua sombra projetada no solo. Em seguida, mede-se o comprimento da sobra do edifício. Com o uso de uma simples regra de três, obtêm-se a altura do edifício.

“Se desejar um método mais complexo, amarre o barômetro na ponta de uma corda e balance-o como um pênduro, o que permite a determinação da aceleração da gravidade (g), no topo do edifício e no nível da rua; a partir da diferença dos valores de g, a altura do edifício pode ser calculada.”

“Finalmente” – concluiu. – “Se não for cobrada uma solução física para o problema, existem outras respostas. Por exemplo, ir até o síndico e dizer-lhe: – Caro síndico, esse belo barômetro pode ser seu se o senhor me disser a altura deste edifício”.

Não sem alguma perplexidade, perguntei ao estudante se ele não sabia qual era a resposta “esperada” para o problema. Ele consentiu que sabia, mas que também já estava farto das repetidas tentativas dos professores em definir-lhe como ele deveria pensar”.

_______________________________________________________

É desconhecida a autoria dessa interessante história. Há uma versão atribuida ao Físico R. Feinman. Outra, em francês, dá conta que Niels Bohr foi o aluno e Rutheford o professor. Ambos se tornariam Prêmio Nobel de Física. o Dr. Alexander Calandra, professor na cidade americana de St. Louis, publicou, em 1966, um conto inspirado em historieta lida na revista Readers Digest, em 1958. Se aceita, contudo, a probabilidade de que o relato teve origem em fato real.

~ por Taberneira em Outubro 14, 2009.

3 Respostas to “O Barômetro”

  1. ótima história!

  2. Escuta, neen li, tive preguuiça! Túu és chaato! Bjs

  3. Ai, desculpa, foi minha prima qe escreVEU! aGORA SOU EU MESMA! eu gostei sin da historia! Como na verdade o barometro pode obter informaçoes?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: