Sempre quis fazer isso

•Julho 28, 2011 • Deixe um Comentário

 

Lá do Ah Negão!

Anúncios

Mulheres e Sexo

•Julho 18, 2011 • Deixe um Comentário

 

Muitas pessoas costumam associar o desejo sexual aos homens e à mulheres “libertinas”. O fato é que poucas pessoas param pra pensar no que as mulheres realmente pensam sobre isso.

O sexo é uma coisa independente do gênero ou da opção sexual de cada um. Normalmente, quem possui mais o hormônio da testosterona, tem uma libido maior – e sim, mulheres têm testosterona, assim como os homens. -, mas isso não quer dizer que a mulher, por ter menos desse hormônio, não irá pensar ou querer sexo. Na verdade, acredito que as mulheres pensam tanto em sexo quanto os homens, mas diferentemente dos machos da espécie, nós sabemos controlar nossos impulsos primitivos de uma maneira mais… sutil. É difícil ver uma mulher secando outro homem, e existem diversos fatores que não fazem-nos perceber. Primeiro: mulheres têm uma visão diferenciada. Homens veem tudo em túnel, ou seja, só uma coisa de cada vez. As mulheres veem muito mais abertamente, o que faz com que ela não precise focar diretamente em algo para notá-lo. Segundo: mulheres são infinitamente mais sutis do que homens. Elas não vão sair comentando que viram um homem super gostoso, ou que ela daria para alguém, mesmo que ela pense isso internamente. Mulheres sempre foram ensinadas a serem mais retraidas quanto aos seus pensamentos “pecaminosos”.

Então, se vocês pensam que as suas mulheres têm algum tipo de problema na cama simplesmente porque elas são mulheres, vocês estão errados. Basta saber do que ela gosta e como ela gosta, e então vocês terão lindas noites de pura alegria e felicidade na cama.

 

Post curtinho, mas ainda válido, né? XD

Yuto Miyazawa

•Março 26, 2011 • Deixe um Comentário

 

Fale a verdade! Você quer adotar o japinha agora, não quer?

 

Quick Questions

•Março 1, 2011 • Deixe um Comentário

Eu estava relendo os comentários feitos a mim, e decidi fazer simples questões aos meus leitores. Espero que respondam com sinceridade.

 

A) Por que muita gente pensa que eu sou um macho batedor de punheta e não uma senhorinha educada, como sou?

B) Por que as pessoas vivem dizendo que minhas listinhas são feitas para uma mulher “doméstica”/”dona-de-casa”/ ou alguém que vive na sombra do homem dela e NÃO para uma pessoa que saiba respeitar? Creio que exista uma diferença BEM BÁSICA entre os dois, não?

C) Por fim… Por que todo mundo que vem falar que meus posts estão completamente errados nunca sabem escrever certo, e quando escrevem certo são completamente mal-educados? Eu realmente queria saber essa…

 

Bem… Essas são as três perguntas que eu queria fazer.

Obrigada, meus leitores fiéis! Como resulução atrasada de ano novo, prometo posts mais frequentes… Ou não!

I Won’t say I’m in Love

•Fevereiro 23, 2011 • 1 Comentário

Bem… Quem nunca gostou da Disney quando era criança? (pouca gente, acho eu) Dando umas voltas pelo youtube, acabei achando isso aqui:

O Nome do vídeo é “I Won’t Say I’m in Love”, da vlogueira Nanalew.

Fala a verdade, se amarrou na sorvetinha, né? XD

Existe Príncipe Encantado?

•Fevereiro 19, 2011 • 6 comentários

Eu estava lendo alguns posts por ai afora, e acabei notando que muitos deles falam que as mulheres vivem num tempo muito antigo… Esperando o príncipe encantado, e coisa e tal. Também existe algumas opiniões meio-a-meio, como a da Joana do blog “Alguns Anos Depois“, que fala “Não procurei um príncipe encantado sem defeitos, não quero o homem que toda a mulher quer ter, e não o tenho, tenho o homem que eu quero ter, o homem que me faz querer partilhar a minha vida sem medos e sem hesitações.”.

Bem, tratando-se da imagem do príncipe encantado, muitas mulheres costumam afirmar que ele deveria vir montado num cavalo branco, vestido numa armadura prateada, com a espada a tira-colo e os raios do sol brilhando ao seu redor. Nos tempos modernos também podemos dizer que ele teria uma aparência pálida, seus olhos mudariam de cor, e ao invés do cavalo + armadura, ele usaria um volvo prata mal gosto. O fato é que, eu acredito que Príncipes Encantados existem. Claro que não aquele estereótipo que toda mulher fala – Que goste de cachorros, mas que prefira gatos. Que seja gentil, atencioso, que não me encha de afazeres e blablabla. Todo homem tem a capacidade NATA de ser o Príncipe Encantado de alguém. O grande problema é que a maioria dos casais não se entendem. As mulheres querem um homem que esteja sempre disposto, carinhoso, atencioso e amável, e esquecem que esses homens também tem o poder de exigir seus direitos.

Um príncipe encantado pode até não parecer nem de longe com um. Ele pode ser aquele cara que você não dá valor algum. Anda de havaianas, bermuda, é sempre estranho… Mas é esforçado, confiante, decidido! As mulheres acabam esquecendo de que um volvo e um topete engraçado não fazem de um homem um príncipe. Um príncipe é medido pela sua coragem, determinação e força, capaz de lutar e morrer até o fim pelos seus objetivos. Isso quer dizer que ele pode ser feio, pobre, pé rapado e líder de um país xurreco. Muitas mulheres acabam olhando primeiro o que o homem aparenta ser e não o que ele é de verdade. Relacionamentos que poderiam durar anos acabam simplesmente porque a mulher em si não soube lidar com as exigências do homem.

Acredito que se você quer um homem dedicado, gentil, amoroso e o diabo a quatro na sua cama, você precisa fazer por merecer. Apesar de homens gostarem de mimos e gentilezas, eles gostam também que as mulheres o ajudem da melhor forma possível. Caso morem juntos, seja lavando pratos, fazendo comida… Isso não é uma forma de ser diminuída ou fazer com que seu poder seja menor do que o do seu marido/namorado/ficante/peguete. Quando você faz certas coisas por livre e espontânea vontade, isso também lhe dá a chance de também ter seus direitos. Pode até parecer machismo da minha parte, mas se tem uma coisa que eu notei é que homem ODEIA mulher preguiçosa. Muitas mulheres se valem dos “direitos iguais” pra mandar o homem trabalhar em casa em quanto ela fica “bebendo cerveja e assistindo futebol”. Certo que trabalhar em casa como uma condenada e o homem chegar exigindo é demais. E nessa parte que entra o “príncipe”. Ele vai saber como tratar você depois que você tiver feito as coisas pra ele. Vai saber como lhe agradar, como lhe completar, fazer feliz. Seja com um presente, um beijo, uma noite de conversa ou um jantar fora. Mesmo os dois lendo livros juntos ou assistindo a algum filme interessante.

O grande ponto é: Os príncipes encantados existem, mas com o nosso modelo de relacionamento hoje em dia, acabamos esquecendo do que é verdadeiramente necessário: compreensão, conversação e por cima de tudo respeito. Muitos casais ignoram esses princípios básicos de um relacionamento e acabam ficando em mágoas e sofrimento.

É por isso que digo e repito: Príncipe encantado existe sim. Mas ele tem seus defeitos, sua maneira de ser, seu jeito de ver as coisas e o direito de ser quem ele é independentemente de quem você, mulher, é. Príncipes encantados não são seres perfeitos que Deus enviou à terra para ficar com você e amar você por toda vida. São homens de verdade, carne e osso, que sofrem de todos os males que todos os homens na terra sofrem. Cabe às mulheres saber quem é o SEU príncipe encantado, e compreender que ele ainda é um ser humano, e que ser humano nenhum é perfeito.

Mudança? 2.0

•Janeiro 31, 2011 • 2 comentários

Bem, nesse período Dezembro-Janeiro foi um período de intensa mudança para mim, tanto sentimental quanto física. Pessoas amadurecem a cada minuto, sem perceber. Cada comentário ouvido, cada visão que nós temos contribui para nossa mudança psicologica, mas às vezes apenas uma mudança física pode mudar nosso psicológico de uma maneira irreversível.

Eu sempre me considerei muito madura para minha idade. Sempre quis ter namorados muito cedo, sempre quis saber mais das coisas do que os meus “coleguinhas” de sala, e mesmo quando se trata da universidade, acaba acontecendo o mesmo: eu querendo ser mais madura do que realmente sou; querendo saber mais do que eu realmente sei. Mas o fato é: estamos todos preparados ou maduros o suficiente para uma mudança brusca?

Recentemente me mudei para um novo bairro: um pequeno apartamento num bairro movimentado, cheio de coisas novas e excitantes. Carreguei todos os meus livros e bungingangas artísticas, e demonstrei explicitamente o quanto eu estava feliz por sair de casa. A resposta não veio como eu imaginava.

Primeiro, me acusaram de ser insensível: “Como você pode dizer que não vai vir para cá todos os dias? Não vê o estado emocional dos seus avós?”, reclamou minha mãe. Eu não me senti insensível. Me senti crescida, amadurecida, com novas oportunidades e uma vida de descobrimentos pela frente. Eu nunca voltei para casa sem que não tivesse alguém me esperando com o almoço já na mesa. Eu queria ter a experiência de fazer o meu próprio almoço! Isso é crime?

Depois, foi aquele choro. As pessoas pareciam esperar que eu fosse morar na mesma casa para sempre. Criar meus filhos da mesma casa onde minha mãe morava, junto com meus avós, junto com meus tios e meus primos. Ia carregar meu marido para a casa vizinha e viver em comunhão… Cada dia diferente um almoçando na casa do outro, brincando de The Sims, onde você só pode cuidar de uma família por vez, então bota todo mundo num terreno só pra não ter que mudar de casa.

Mas o fato é: A realidade é diferente. Não é errado que uma família viva junta, unida! Dou graças por minha família ser tão unida e carinhosa, mas as pessoas precisam ter seu próprio desenvolvimento: o chamado “desenvolvimento pessoal”. Uma pessoa precisa aprender que não vai viver com a família para sempre. Viver só numa casa é difícil, e viver longe de todas as pessoas com quem você compartilhou todas as suas experiências também, mas TODA mudança é difícil. Não se consegue construir uma pirâmide sem que um pouco de areia entre nos seus olhos, ou sem que uma fatídica pedra caia no seu pé. Não é possível mudar sem um pouco de sofrimento, e toda mudança vem para uma causa maior! Começar novamente, construir algo melhor, contornar algo de errado: não importa!

Mudanças são necessárias para que todas as pessoas evoluam, e isso é um fato inegável.

Continuo estando feliz por ter me mudado, e sei que nunca vou estar longe de minha família.

Então, o que há de errado numa boa mudança?